Um grito de liberdade … hoje partiu Mário Soares

Cravos vermelhos liberdade … liberdade …

Mário Soares o primeiro em muita coisa até na hora da partida … morreu o primeiro Presidente da República civil democraticamente eleito em 7 de janeiro de 2017, após ter nascido em 7 de dezembro de 1924.

Foto web

O Editorial não faz emergir “novidades” sobre Mário Soares, sobre este grande Homem, porém não pode deixar de prestar homenagem a este socialista fundador do partido socialista.

Democracia e liberdade as palavras-chave da sua vida política que formaram a face inequívoca e caricaturada de Mário Soares, o “rosto” da democracia. Vida, com várias vidas não contidas, a caminho da democracia no “comboio da liberdade” caminhando…

O histórico socialista foi um enérgico e infatigável lutador contra a ditadura de Salazar, foi preso 12 vezes, deportado para São Tomé e exilado em França. Depois veio a democracia, após a revolução de 1974, Mário Soares foi Primeiro-Ministro em 3 governos constitucionais, foi Presidente da República por 2 mandatos e Deputado Europeu. Foi líder quando Portugal precisou dele (http://pt.euronews.com/2017/01/07/mario-soares-1924-2017-percurso-de-um-resistente).

Fonte web – visão

No sofrimento dos infortúnios da luta e na felicidade das vitórias políticas, lutou, lutou … para que os portugueses almejassem e vivenciassem a democracia. Após a História o ter “engolido” Mário Soares, hoje, é imortalizado nos pergaminhos da lembrança inolvidável dos séculos do tempo nunca esquecido. 

A hora da partida

A hora da partida soa quando

Escurece o jardim e o vento passa,

Estala o chão e as portas batem, quando

A noite cada nó em si deslaça.

A hora da partida soa quando

As árvores parecem inspiradas

Como se tudo nelas germinasse.

Soa quando no fundo dos espelhos

Me é estranha e longínqua a minha face

E de mim se desprende a minha vida.

Sofia de Mello Breyner (http://www.portaldaliteratura.com/)

Em tua memória Mário, liberdade … liberdade …

Foto web

Até sempre!

Publicado por

editorial

Helena Navalho é jurista. Licenciou-se em História pela Faculdade de Letras e em Direito pela Faculdade de Direito (Universidades de Lisboa) e vem falar da ferramenta jurídica que está presente no quotidiano do cidadão comum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *